Política

Clipping: Comunistas brasileiros em relação promiscua com o narcotráfico

3518
0
  1. A ligação da gangue quadrilha do norte com comunistas

De acordo com o Ministério Público federal, a facção Família do Norte (FDN), responsável pelo massacre no Amazonas que rendeu a morte de 60 detentos, tem conexões estreitas com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, que comercializava drogas e armamento pesado para ser usado pelos brasileiros. A FDN é a terceira maior facção criminosa do Brasil e atua principalmente na região norte, detendo o controle das principais rotas de escoamento de drogas na região da tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru. A denuncia foi apresentada contra as principais lideranças da facção brasileira à Justiça Federal no âmbito da Operação La Muralla.

Ainda segundo a denúncia, o peruana Nelson Flores Collantes, conhecido como “Acuario”, é apontado pelas investigações como um dos elos da FDN com as FARC, sobretudo o braço peruano da organização[1].

Nessa direção, lembrou bem o jornalista Felipe Moura Brasil que as FARC tem uma relação muito próxima com o PT, trazendo novamente a tona uma entrevista da folha onde Raúl Reyes, o número dois das FARC,  comenta sobre sua ligação com o partido dos trabalhadores:

“Folha – O sr. conheceu Lula?

Reyes – Sim, não me recordo exatamente em que ano, foi em San Salvador, em um dos Foros de São Paulo.”

Folha – Houve uma conversa?

Reyes – Sim, ficamos encarregados de presidir o encontro. Desde então, nos encontramos em locais diferentes e mantivemos contato até recentemente. Quando ele se tornou presidente, não pudemos mais falar com ele.

Folha – Qual foi a última vez que o sr. falou com ele?

Reyes – Não me lembro exatamente. Faz uns três anos.

Folha – Fora do governo, quais são os contatos das Farc no Brasil?

Reyes – As Farc têm contatos não apenas no Brasil com distintas forças políticas e governos, partidos e movimentos sociais. Na época do presidente [Fernando Henrique] Cardoso, tínhamos uma delegação no Brasil.

Folha – O sr. pode nomear as mais importantes?

Reyes – Bem, o PT, e, claro, dentro do PT há uma quantidade de forças; os sem-terra, os sem-teto, os estudantes, sindicalistas, intelectuais, sacerdotes, historiadores, jornalistas…

Folha – Quais intelectuais?

Reyes – [O sociólogo] Emir Sader, frei Betto [assessor especial de Lula] e muitos outros.”

Também lembra como o próprio Hugo Chávez chegou a reafirmar que houve o encontro entre Reyes e Lula, nas palavras do próprio:

 

Como se não bastasse, o blogueiro da Veja ainda mostra como o PT fez para escoar dinheiro brasileiro ao grupo Colômbiano.

“Em 1996, a empreiteira Andrade Gutierrez construía uma grande hidrelétrica nos Andes quando dois de seus engenheiros, Eduardo Batista e Demétrio Duarte, foram seqüestrados pelas Farc (…). A empresa acionou o Itamaraty, tudo foi tentado pelas vias diplomáticas, mas os dois brasileiros continuaram em poder dos guerrilheiros durante 207 dias. Só saíram do cativeiro depois que um novo ator entrou em cena: o Partido dos Trabalhadores. Por meio de ‘negociadores’ indicados pelo PT, a Andrade Gutierrez pagou um resgate milionário, o dinheiro foi transportado em malas para a selva amazônica e os engenheiros regressaram ao Brasil.” [2].

 farc

(Foto: Saudação das FARC a eleição de Dilma Rousseff)

  1. O PT repassa dinheiro brasileiro para padre que ajudou a fundar o Comando Vermelho (CV) e o Primeiro Comando da Capital (PCC)

 

De acordo com o portal Terça Livre, mostrando fontes primárias, Alípio Cristiano de Freitas, terrorista comunista treinado em Cuba, recebeu mais de meio milhão de reais de indenização na era PT, por portaria assinada pelo à época Ministro da Justiça, Tarso Genro, e que durante o tempo em que esteve preso no regime militar criou as organizações criminosas que hoje aterrorizam o Brasil, o CV e o PCC. Segundo o próprio Alípio, ele treinou presos comuns no presídio de Ilha das Flores, no Rio de Janeiro, em organização e militância políticas[3].

  1. O MSTS foi criado para ser uma fachada para a venda de drogas

A polícia de São Paulo acusou líderes do Movimento Sem Teto de São Paulo (MSTS) de agir em parceria com o Primeiro Comando da Capital (PCC) para consolidar o tráfico de drogas na Cracolândia, no centro da cidade. Os líderes da organização de moradia foram presos com drogas, armas e munições que estavam escondidos no Cine Marrocos, ocupado pelos sem-teto. Segundo as investigações, o tráfico na região movimenta 10 quilos de droga por dia, que rendem quatro milhões por mês.

As investigações da Operação Marrocos duraram oito meses, reunindo mais de mil horas de interceptações telefônicas, onde pode-se escutar os líderes do MSTS negociando drogas. O Denarc ainda vai levar à Justiça Eleitoral o teor do grampo que teria flagrado o candidato a vereador Manolo Wanderley (PCdoB), falando de repasse de dinheiro para o chefe do movimento.

Em encontros no Cine Marrocos, eram definidos a divisão do dinheiro e do tráfico, além de definir o que seria feito com traficantes que estavam em dívida com a facção criminosa. De acordo com o diretor do Denarc, o delegado Ruy Ferraz Fontes, a “liderança do movimento já veio para a região com o intuito de estruturar o PCC. O MSTS foi criado para disfarçar a organização criminosa”[4].

[1] https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2017/01/04/fdn-tinha-conexoes-estreitas-com-as-farc-diz-mpf.htm

[2] http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/faccao-que-matou-60-presos-compra-armas-de-grupo-aliado-do-pt/

[3] https://tercalivre.com/2017/01/11/pt-deu-mais-de-meio-milhao-de-reais-a-terrorista-treinado-em-cuba-que-criou-cv-e-pcc/

[4] http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,policia-faz-operacao-contra-o-trafico-de-drogas-na-cracolandia,10000067150

Tagged:

Atualizações exclusivasno seu e-mail

Respeitaremos sua privacidade

Coxemp 02
Política
“Coxinha fala mal da Lei Rouanet sem conhecer”… Está aí a resposta, Empada.
Gunman Pizza Shop
MundoPolítica
Globalistas partem para ofensiva contra mídia independente
US-POLITICS-TRUMP-LABOR-LEADERS
EconomiaPolítica
O legado de Trump e o desespero da grande mídia
Hugo Rossi